sexta-feira, 19 de março de 2021

Professor tem 321 fotos de 44 espécies de formigas publicadas


Dando prosseguimento às ações de divulgação científica, inserção social e disponibilização de dados avulsos sobre formigas, que são parte das atividades previstas em seu plano de trabalho de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Zoologia (PPGZoo) da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) sob supervisão do professor/Dr. Jacques Delabie, o professor Paulo Robson de Souza, desde agosto de 2020, está alimentando a sua página na "iNaturalist", plataforma científica internacional que tem o apoio de National Geographic e California Academy of Sciences. O professor Paulo Robson, da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), tem como uma de suas paixões as formigas. Ele resolveu registrar imagens de espécies e já chegou à marca de 321 fotos publicadas, de 44 espécies de formigas. O trabalho é parte das observações realizadas desde 2010 no Cerrado, Pantanal, Serra da Bodoquena e Chaco Brasileiro, em Mato Grosso do Sul, e na porção da Mata Atlântica na Ceplac, em Ilhéus (Ba). Inclui a exposição “O cotidiano das formigas no Pantanal em quatro atos: morar, cuidar, explorar, comer”, sob curadoria do Dr. Rogério Silvestre/UFGD, dentro do 20º Simpósio de Mirmecologia e 1º Encontro de Mirmecologistas das Américas (2011, Petrópolis, RJ). As fotos publicadas (frequentemente, são sequências de 2 a 6 fotogramas) e as informações em português e inglês totalizam 111 observações – sendo que algumas delas trazem conhecimento novo, são nótulas científicas; e a maioria já obteve o grau de pesquisa da plataforma. O material se encontra disponível no site www.inaturalist.org e pode ser utilizado sem o prévio consentimento do autor: porque toda fotografia depositada no iNaturalist implica sua liberação livre para uso não comercial (licença CC BY NC), desde que citados fonte e créditos. “Além de contribuir para as pesquisas da área e divulgação científica e institucional, textos e fotos podem ser usados em ações de educação ambiental, extensão, no ensino de Biologia e Ciências ou no desenvolvimento da capacidade de observação das crianças em passeio no campo, por exemplo”, explica o professor Paulo Robson

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog