segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

PGR defende manutenção da prisão de envolvidos em venda de decisões no TJ-BA



Por Metro1  - A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a manutenção das prisões preventivas de seis envolvidos na Operação Faroeste, que apura a venda de decisões judiciais no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), de acordo com o BNews.
A ação apura a prática dos crimes de corrupção de lavagem de dinheiro, e as investigações revelaram a existência de um esquema criminoso que tinha como propósito a legalização fraudulenta de terras localizadas no oeste baiano.
A ex-presidente do TJ-BA desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago está presa desde o final do ano passado. O genro dela, Márcio Duarte Miranda; o juiz Sérgio Humberto de Quadros Sampaio; o servidor do TJ-BA Antônio Roque do Nascimento Neves; e o casal apontado como idealizador do esquema, Adailton Maturino dos Santos e Geciane Souza Maturino dos Santos também foram alvos da força-tarefa.
No pedido do MPF, a subprocuradora-Geral da República Lindôra Araújo explicou que os acusados estão presos há 60 dias, portanto, a Justiça deverá revisar a necessidade de manutenção da prisão preventiva a cada 90 dias, mediante decisão fundamentada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog