quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói durou 3h30min; sequestrador morre com seis tiros


Após três horas e meia de cerco, chegou ao fim o sequestro do ônibus da viação Galo Branco na Ponte Rio-Niterói, Rio de Janeiro. O bandido foi baleado com seis tiros às 9h02 por um atirador de elite ao descer do veículo.
Segundo informações da Polícia Militar, o sequestrador, que usava uma arma de brinquedo, está morto. Os 36 passageiros mantidos como reféns passam bem. As duas pistas da ponte Rio-Niterói chegaram a ser interditadas, mas já foram liberadas.
O crime
O sequestro teve início por volta de 5h30 da manhã desta terça-feira, 20, quando um homem armado, que se identificou como policial militar, entrou no coletivo da linha 2520, que vinha do Jardim Alcântara (São Gonçalo, região metropolitana do Rio) com destino ao Estácio (região central da cidade), levando 36 passageiros a bordo. Meia hora após o embarque, ele ordenou que o condutor atravessasse o veículo na pista.
Identificado como Willian Augusto da Silva, o homem de 20 anos foi cercado pela polícia rodoviária e pelo Batalhão de Choque da PM por volta das 6h30. Ao longo das negociações, que duraram três horas e meia, o rapaz liberou seis reféns: quatro homens e duas mulheres. Uma das vítimas desmaiou no asfalto ao ser resgatada.
Wilian não fez nenhuma demanda específica. Apenas afirmou portar um revólver, uma pistola de choque e combustível, e chegou a ameaçar colocar fogo no coletivo. As vítimas estavam com celular dentro do transporte e imagens do interior do ônibus circulam nas redes sociais.
Em torno de 9h, o atirador de elite da PM disparou contra o criminoso. Os tiros foram dados de cima de um caminhão. Os policiais comemoraram o fim dos trabalhos. Em seguida, fizeram uma oração. A motivação do sequestrador ainda é desconhecida, mas a PM considera que a ação foi premeditada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog