terça-feira, 9 de julho de 2019

Domingão da Lava Jato

Leandro Fortes - Jornalista - "De todas as mazelas da Lava Jato desnudadas pela matéria da revista Veja, em parceria com o Intercept Brasil, uma nota tragicômica se sobressai ao lodo geral: Fausto Silva, o Faustão, era conselheiro do então juiz Sérgio Moro", destaca Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia; "Não há, portanto, mais nenhuma dúvida que Moro foi um juiz parcial"
5 de julho de 2019, 12:12 h(Foto: Reprodução | Senado)
De todas as mazelas da Lava Jato desnudadas pela matéria da revista Veja, em parceria com o Intercept Brasil, uma nota tragicômica se sobressai ao lodo geral: Fausto Silva, o Faustão, era conselheiro do então juiz Sérgio Moro.
Deslumbrado, o bacharel da zona rural não se conteve. Foi ao Telegram revelar a Deltan Dallangnol os conselhos de Faustão de como falar ao “povão” sobre as atrocidades que cometia à margem da lei. Um media training inusitado que acabou servindo, agora, para confirmar o que todos sabiam, mas que Moro mentia, descaradamente, para se safar: as mensagens são todas reais.
Faustão foi procurado pelos repórteres e confirmou, exatamente, o teor da conversa. Esse fato consolida a credibilidade de todo o material, o que torna a nova leva de informações ainda mais grave. Nos diálogos recém publicados, fica ainda mais claro que Dallangnol subordinou completamente a força-tarefa do Ministério Público Federal de Curitiba a Sérgio Moro.
Não há, portanto, mais nenhuma dúvida que Moro foi um juiz parcial que orientava e instrumentalizava os acusadores contra um réu que, mais para frente, seria julgado por ele mesmo. Isso é, simplesmente, a coisa mais abominável que pode existir dentro do Estado de Direito e do ordenamento jurídico de um país que queira ser reconhecido como nação civilizada.
Agora, a questão não é mais se Moro e Dallangnol são culpados, ou se as mensagens são verdadeiras. A única discussão plausível, nesse momento, é quando a farsa do julgamento de Lula será anulada e essa gente será processada e punida pelo que fez.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog