quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Ministro da Fazenda descarta intervenções para conter alta do dólar



De acordo com o ministro, boa parte das altas recentes deve-se a fatores internacionais, sobre os quais o governo não tem controle. “Não há nenhuma medida para ser tomada neste momento. O que existe são movimentos internacionais que têm pressionado moedas de países emergentes, como o Brasil”, declarou o ministro após evento na sede do Banco do Nordeste na capital cearense.
O ministro ressaltou que o governo está acompanhando a situação e acrescentou que somente reformas estruturais que reequilibrem as contas públicas conseguirão aumentar a resistência do país a crises “agora e no futuro”. Caso contrário, os futuros governos terão de aumentar a carga tributária. “O problema do déficit público brasileiro é o crescimento acelerado da despesa. Nós precisamos reverter essa tendência”, disse.
Guardia reiterou que o país tem capacidade de lidar com turbulências internacionais, por ter baixo déficit em transações correntes (comerciais, de serviço e de rendas) e elevadas reservas internacionais. A principal dificuldade da economia brasileira, declarou o ministro, está no lado fiscal.
Segundo o ministro da Fazenda, o governo pode seguir em frente e tentar votar a reforma da Previdência depois das eleições, caso o futuro governante esteja de acordo. “Qualquer candidato que esteja comprometido com o processo de reformas, de modernização do Brasil, de redução de custo Brasil, de redução de custo tributário, de simplificação, de redução de burocracia e disciplina fiscal tem a minha simpatia”, disse.
Portugal Digital com Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog